DEMOCRATIZANDO

O multiculturalismo do Brasil perpassa pela sua riqueza de cultura e se eleva quando não há um relativismo ao extremo ao conhecer, entender e respeitar tamanha diversidade cultural, sem ignorar os direitos básicos para nossa sobrevivência enquanto pessoa e, também, enquanto grupo social e/ou etnia, ou seja, os direitos humanos da vida e pela vida.       Isso se faz ‘democratizando’!

O multiculturalismo, pensado a partir da promoção de igualdade de direitos e de oportunidades, do reconhecimento do outro, nem sempre é tão simples como a teoria. Por outro lado, todo cuidado é pouco frente ao etnocentrismo que tem nos levado a destruição de nós mesmos, dos seres humanos, quando não apuramos o nosso olhar para tentar compreender a cultura alheia, a cultura do outro.

Quando nos apoiamos no etnocentrismo e buscamos defender apenas a nossa maneira de viver e/ou de enxergar o mundo, tendemos a considerar normal a forma como reagimos diante das diferenças, colocando em primeiro plano ou supervalorizando e privilegiando apenas o nosso jeito de viver em detrimento de outros possíveis modos de lidar com a vida em outras expressões culturais diversas, resumindo acabamos por ‘naturalizar’ a nossa cultura e estranhar, tornando inferior a cultura de outros povos, como aconteceu com o regime nazista.

Portanto, é um papel fundamental nosso (principalmente de educador) conhecer, difundir e discutir tais questões acerca dos princípios da Democracia, com nossos educandos, fortalecendo o debate em sala de aula.